Esclareça as suas dúvidas sobre Fertilização “In Vitro”

fertilização in vitro é o tratamento mais abrangente para casos de infertilidade, indicado para casais com problemas como alterações tubárias, endometriose, alterações no sêmen (quantidade/qualidade dos espermatozoides), idade materna avançada e falha de tratamentos mais simples, como coito programado e inseminação intrauterina.

O casal que passa por esse processo costuma ter muitas dúvidas. Será que é tão simples assim? O que a mulher pode ou não pode fazer? Existem exames específicos ou restrições? A seguir, especialistas esclarecem as perguntas mais comuns:

1) A mulher precisa usar alguma medicação especial?

No início do tratamento, utilizam-se medicações para aumentar o número de óvulos maduros disponíveis no ovário no ciclo menstrual. “Esta etapa é controlada com exames frequentes de ultrassonografia e às vezes de sangue, para avaliar a resposta às medicações e decidir o momento ideal de coleta dos óvulos”, explica o ginecologista Paulo Bianchi, coordenador da Unidade Huntington do Hospital Samaritano.

2) Posso fazer o tratamento na menopausa?

Não. “Após a menopausa, a mulher já não tem mais óvulos ou ovários para serem fertilizados”, declara Paulo. De acordo com o médico, há uma alternativa de tratamento chamada ovodoação anônima, que é basicamente uma fertilização in vitro na qual utilizam-se óvulos de outra pessoa. “A doação é feita de forma anônima e sem fins lucrativos”, esclarece o especialista.

3) Quanto tempo sem obter sucesso para engravidar do modo tradicional é preciso esperar para cogitar esse tipo de tratamento?

tes de procurar qualquer tratamento, é necessário identificar o que possa estar dificultando a gravidez. Os especialistas recomendam que se espere cerca de um ano de tentativas de gravidez sem sucesso para começar a busca pelo problema. 

“Caso a mulher tenha mais de 35 anos ou o casal já tenha apresentado algum fator que possa atrapalhar a fertilidade, a investigação pode começar a ser feita após seis meses de tentativas”, diz Paulo Bianchi.

O ginecologista Lucas Yamakami afirma que também existem outras situações em que o casal pode procurar ajuda precoce, como ausência de menstruação regular, histórico de infecção grave, endometriose ou suspeita de alteração do sêmen.

Depois de identificada a causa dainfertilidade, o médico orientará o casal para que encontrem o método mais adequado – que pode ou não ser a fertilização in vitro.

4) Qual a duração do tratamento?

Os tratamentos em reprodução humana duram em média 20 dias por tentativa. “Neste período, o casal deve ir ao médico e realizar procedimentos como ultrassom, coleta de óvulos e sêmen e transferência dos embriões”, explica Lucas.

5) Existe algum efeito colateral?

De acordo com os especialistas, o efeito colateral mais comum é o inchaço, que pode corresponder a um ganho de peso de até dois quilos. “Esses efeitos estão relacionados à estimulação exagerada dos óvulos, que crescem muito”, conta Lucas.

Ganho de peso, dor de cabeça, desconforto abdominal e mudanças de apetite ou humor podem ocorrer, mas são pouco comuns. “Efeitos colaterais graves como trombose, sangramentos intensos e infecções também acontecem, apesar de serem muito raros”, diz Paulo Bianchi.

6) Quais exames o casal deve fazer antes do tratamento?

Antes de pensar em fazer qualquer tratamento, o casal deve fazer uma investigação completa da infertilidade, que inclui exames de ultrassom, avaliação hormonal, avaliação das tubas pela histerossalpingografia e espermograma. “Além disso, é importante fazer exames de HIV, hepatite B e C, HTLV, sífilis e rubéola”, diz Lucas.

7) Há diferença entre a gravidez com fertilização in vitro e a gravidez sem?

“Os riscos da gestação de FIV são iguais aos riscos de gestações naturais de casais com o mesmo perfil”, afirma o ginecologista Paulo Bianchi. Ou seja, se aquele casal conseguisse engravidar naturalmente, correria os mesmos riscos que está correndo com a fertilização in vitro – tudo depende das características e hábitos do casal.

Porém, Paulo elucida uma diferença: “nas primeiras oito semanas da gestação de FIV, é comum utilizarmos alguns hormônios de suporte que não são comumente utilizados em gestações naturais”. Segundo ele, após esse período, a gestação ocorre naturalmente.

8) O bebê de fertilização in vitro corre mais risco que um bebê concebido de forma tradicional?

“O bebê de fertilização é tão normal quanto poderia ser se seus pais conseguissem engravidar naturalmente”, declara Paulo.

9) A mulher pode seguir uma rotina normal durante o tratamento?

“Normalmente, recomenda-se não praticar atividades físicas de impacto, como corrida e musculação, durante o tratamento”, diz Paulo. Isso porque os seus ovários ficam maiores e o excesso de movimentação pode gerar problemas. Quanto à alimentação, recomenda-se uma dieta saudável, sem grandes restrições alimentares.

É importante também ressaltar que, como se trata de tratamento para engravidar, recomenda-se não consumir bebidas alcoólicas e não fumar durante o tratamento, bem como outras restrições que se aplicam a qualquer mulher que está grávida ou pretende engravidar.

10) O casal pode ter relações sexuais durante o tratamento de fertilização in vitro?

Pode sim, mas deve ser evitado em alguns períodos. “Quando se aproxima o período de coleta do sêmen, recomenda-se que o homem fique dois a cinco dias sem ejacular, para melhorar a qualidade do material colhido”, explica Paulo.

“Logo após a captação dos espermatozoides e ovários, o casal ainda deve permanecer em abstinência para evitar dor na mulher por conta do tamanho dos ovários”, completa Lucas.

Fonte: Minha Vida

Gostou desse artigo? Compartilhe com alguém!

Share on facebook
Compartilhar no Facebook
Share on twitter
Compartilhar no Twitter
Share on linkedin
Compartilhar no Linkedin
Share on whatsapp
Compartilhar no WhatsApp

Deixe o seu comentário:

Fique por dentro de
novidades no nosso blog!

Cadastra-se nas nossas newletters e receba diretamente
em seu e-mail os novos artigos sobre saúde e bem estar do blog Prescrita.

Não enviamos spam.