Como é a hipercalcemia e quando ela acontece?

O que é hipercalcemia?
A hipercalcemia é uma condição em que o nível de cálcio no sangue está acima do normal. Esse nível pode subir por uma ingestão excessiva, por uma maior absorção, pela liberação do cálcio de seus depósitos naturais como os ossos, por exemplo, e por distúrbios endocrinológicos.

Quais são as causas da hipercalcemia?
A hipercalcemia geralmente resulta de uma hiperatividade das glândulas paratireoides. Essas glândulas, localizadas próximas à tireoide e em número de quatro são, cada uma, do tamanho de um grão de arroz. Outras causas de hipercalcemia incluem casos de câncer de pulmão, de mama e de alguns tipos de câncer do sangue e eventuais metástases ósseas.

A hipercalcemia pode ainda ocorrer em virtude de outros problemas de saúde ou da utilização de medicamentos, como o uso excessivo de suplementos de cálcio e de vitamina D. Doenças como a tuberculose e a sarcoidose podem aumentar os níveis sanguíneos de vitamina D e estimular o aparelho digestivo a absorver mais cálcio. Pessoas que passam grande parte do tempo sentadas ou deitadas em virtude de doenças podem desenvolver hipercalcemia porque os ossos que não mais suportam peso tendem a liberar cálcio para a corrente sanguínea. Certas drogas como o lítio, por exemplo, podem aumentar a liberação de hormônio da paratireoide e, assim, aumentarem a calcemia (taxa de cálcio no sangue).

Existe uma doença genética rara conhecida como hipercalcemia hipocalciúrica familiar que provoca um aumento de cálcio no sangue em decorrência de receptores de cálcio defeituosos. A desidratação pode também ser uma causa de hipercalcemia leve e transitória, porque quando há menos fluido no sangue, as concentrações de cálcio sobem. Se, por qualquer razão, como a osteoporose, por exemplo, os ossos liberarem cálcio no sangue, isso também causa hipercalcemia os enfraquecendo e levando a fraturas.

Qual é a fisiopatologia da hipercalcemia?
Além de participar na formação dos ossos, o cálcio é essencial para a transmissão de impulsos através dos nervos e para o correto exercício de outras funções importantes. As glândulas paratireoides regulam as taxas de cálcio no sangue secretando um hormônio que comanda os ossos para reterem ou liberarem cálcio, o aparelho digestivo para absorver cálcio e os rins para excretarem cálcio e ativarem a vitamina D. O delicado equilíbrio entre o muito e o pouco cálcio no sangue pode ser alterado por uma variedade de fatores: glândulas paratireoides hiperativas, tumores malignos como os de pulmão, mama e alguns tipos de câncer do sangue.

Quais são as principais características clínicas da hipercalcemia?
Os sinais e sintomas da hipercalcemia podem variar de inexistentes a graves. A hipercalcemia leve pode cursar sem eles, mas casos mais severos produzem sintomas relacionados às partes do corpo afetadas.

Demasiado cálcio no sangue pode enfraquecer os ossos, criar pedras nos rins e interferir com o funcionamento do coração e do cérebro. A ação do cálcio nos rins pode causar sede excessiva, micção frequente e cálculos urinários. No sistema digestivo, a hipercalcemia pode causar dor de estômago, náuseas, vômitos e constipação intestinal. O cálcio extraído dos ossos pode enfraquecê-los e causar dor óssea.

Algumas pessoas que têm hipercalcemia também podem sentir fraqueza muscular. A interferência da hipercalcemia no cérebro pode resultar em confusão mental, letargia e fadiga.

Como o médico diagnostica a hipercalcemia?
Como a condição pode ser assintomática ou exibir apenas sintomas leves, a hipercalcemia muitas vezes só é detectada em exames de sangue de rotina. Exames específicos podem revelar os níveis de hormônio da paratireoide, indicando se o paciente tem ou não hiperparatireoidismo. Se há a suspeita de que a hipercalcemia seja causada por um problema subjacente, o médico poderá recomendar exames de imagem dos ossos ou pulmões, por exemplo.

Como o médico trata a hipercalcemia?
O tratamento da hipercalcemia depende da sua causa subjacente. Se a hipercalcemia for leve, o médico poderá optar por monitorar os ossos e os rins do paciente ao longo do tempo e esperar para ter certeza de que eles permanecem saudáveis ou não. Em alguns casos, o médico pode recomendar medicamentos, como os calcimiméticos, que imitam os efeitos do cálcio circulante e ajudam a controlar as paratireoides hiperativas, ou bisfosfonatos, prednisona e fluidos e diuréticos intravenosos, nos casos mais graves. A cirurgia das próprias glândulas ou de problemas associados a elas muitas vezes tem efeito curativo. Em muitos casos, apenas uma das quatro glândulas paratireoides é afetada.

Quais são as complicações possíveis da hipercalcemia?
As complicações da hipercalcemia podem incluir osteoporose, pedras nos rins, insuficiência renal, problemas do sistema nervoso e arritmia cardíaca (ritmo cardíaco anormal).

Fonte: ABCMED

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *