Zika vírus afeta os testículos também

O vírus da zika, após deixar a corrente sanguínea, continua se replicando em células dos testículos, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira na revista especializada "Science Advances".

A pesquisa, realizada por cientistas da Universidade de Yale , nos Estados Unidos, e testada em roedores, afirma que o vírus causa inflamação e diminuição dos níveis de testosterona, entre outros efeitos.

"Foi reportado que o vírus da zika podia ser detectado no sêmen por períodos prolongados depois da infecção no ser humano. Portanto, pensamos na hipótese de que o vírus pode se replicar nos testículos e a comprovamos usando um modelo com ratos", explicou à Agência Efe Ryuta Uraki, o pesquisador de Yale que dirigiu o estudo.

Para realizar a pesquisa, os especialistas infectaram ratos e notaram que o vírus desaparecia do sangue dos animais após 21 dias, mas ainda estava presente nos testículos, que tinham encolhido "significativamente", o que para Uraki indica que as células morreram depois da infecção.

O vírus da zika, assim como o da dengue e da chikungunha, é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti e costuma causar febre leve, erupções na pele, conjuntivite e dores musculares, além de estar relacionado com más-formações congênitas em fetos cujas mães são infectadas durante a gravidez.

Uraki também afirmou que, embora acredite-se que o vírus se espalha principalmente através da picada do mosquito infectado, é preciso prestar atenção no risco da transmissão sexual.

O pesquisador também afirma que, depois da infecção, "o esperma tinha uma capacidade de movimento reduzida, o que poderia diminuir a fertilidade" do homem. Por terem utilizado ratos, os cientistas ainda precisam saber se suas conclusões também se aplicam aos seres humanos.

"Seria interessante monitorar o nível de testosterona nos homens infectados com o vírus para determinar se os afeta de forma similar", acrescentou Uraki.

Os especialistas também querem saber como é que o vírus da zika pode continuar presente nos testículos e por que o sistema imunológico não consegue eliminá-lo nesses lugares.

Fonte: G1 – Globo.com

Gostou desse artigo? Compartilhe com alguém!

Share on facebook
Compartilhar no Facebook
Share on twitter
Compartilhar no Twitter
Share on linkedin
Compartilhar no Linkedin
Share on whatsapp
Compartilhar no WhatsApp

Deixe o seu comentário:

Fique por dentro de
novidades no nosso blog!

Cadastra-se nas nossas newletters e receba diretamente
em seu e-mail os novos artigos sobre saúde e bem estar do blog Prescrita.

Não enviamos spam.