Quais tecidos podem ser doados

criança, pediatria, endocrinologia, medicamentos especiais, crescer, gh

De cada oito potenciais doadores de órgãos, apenas um é notificado. Ainda assim o Brasil é o segundo país do mundo em número de transplantes realizados por ano. Atualmente, o programa nacional de transplantes de órgãos e tecidos é um dos maiores do mundo. Mais de 80% dos transplantes são realizados com sucesso, devolvendo qualidade de vida ao paciente.

No Brasil, para ser doador não é necessário deixar nada por escrito, basta comunicar a sua família o desejo da doação. A doação de órgãos só acontece após autorização familiar.

A doação de órgãos e tecidos é regida pela Lei nº 9.434/97. É ela quem define, por exemplo, que a retirada de órgãos e tecidos de pessoas mortas só pode ser realizada se precedida de diagnóstico de morte cerebral constatada por dois médicos e sob autorização da família.

Na morte cerebral não há mais funções vitais, só é possível respirar com ajuda de aparelhos e a parada cardíaca é inevitável. Morte cerebral e coma não são sinônimos. No estado de coma o cérebro está vivo, executando suas funções de manutenção da vida. Na morte cerebral, apenas o coração pode continuar batendo, e por pouco tempo, o suficiente para o aproveitamento de órgãos para transplante.

Quando um potencial doador é reconhecido, as centrais de transplantes das secretarias estaduais de saúde são comunicadas. Cada Estado tem uma Central de Notificação, captação e distribuição de Órgãos que coordena a captação e a alocação dos órgãos, baseada em uma fila única, estadual ou regional.

Que tipos de doador existem?
Doador vivo – Qualquer pessoa saudável que concorde com a doação de órgãos múltiplos, cuja retirada não afete a estética do doador.

Doador cadáver – Pacientes com morte cerebral, geralmente vítimas de traumatismo craniano ou AVC (derrame cerebral). A retirada dos órgãos é realizada em centro cirúrgico como qualquer outra cirurgia.

Quais órgãos podem ser doados?
• Coração e Pulmões (retirado do doador antes da parada cardíaca e mantido fora do corpo por no máximo seis horas);
• Rins (retirados do doador até 30 minutos após a parada cardíaca e mantidos fora do corpo até 48 horas);
• Fígado e Pâncreas (retirado do doador antes da parada cardíaca e mantido fora do corpo por no máximo 24 horas).

Quais tecidos podem ser doados?
• Córneas (retiradas do doador até seis horas depois da parada cardíaca e mantidas fora do corpo por até sete dias);
• Medula óssea (feita por meio de aspiração óssea ou coleta de sangue) de doador vivo;
• Pele e Cartilagem (retirada do doador até seis horas depois da parada cardíaca);
• Ossos (retirados do doador até seis horas depois da parada cardíaca e mantidos fora do corpo por até cinco anos).

Quem pode ser doador vivo?
Em princípio, o doador vivo é uma pessoa, em boas condições de saúde, maior de 21 anos e que concorde com a doação, não existindo um limite superior de idade. Por lei, parentes de até quarto grau e cônjuges podem ser doadores, desde que haja compatibilidade sanguínea entre o receptor e doador. No caso de não parentes, a doação só poderá ser feita com autorização judicial.

O doador vivo pode doar um dos rins, parte do fígado, medula óssea e parte do pulmão e pele.

Dos dois tipos de doadores, quem não pode doar?
• Pacientes portadores de doenças que comprometam o funcionamento dos órgãos e tecidos doados, como insuficiência renal, hepática, cardíaca, pulmonar, pancreática e medular;
• Portadores de doenças contagiosas transmissíveis, como portadores de HIV, doença de Chagas, hepatite B e C, além de todas as contraindicações utilizadas para a doação de sangue;
• Pacientes com infecção generalizada ou insuficiência de múltiplos órgãos e sistemas;
• Pessoas com tumores malignos.

Fonte: Doe órgãos Salve Vidas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *