Ministério da Saúde registra aumento de casos de HIV em 2016

O Ministério da Saúde registrou aumento no número de casos de HIV em 2016. Foram 37.884 casos no ano passado, contra 36.360 em 2015 — um aumento de 4%. A tendência, de acordo com as novas notificações enviadas à pasta, é de aumento desde 2014, quando foi registrada alta de 56,2% em relação a 2013.

Esse aumento, no entanto, pode ser explicado em parte porque, em 2014, o Ministério da Saúde tornou obrigatória a notificação de casos de HIV no país. Isso significa que todos os serviços de saúde devem informar todos os novos casos ao órgão; antes, esse dado era feito a partir de amostragem em estudos isolados.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (1º), Dia Mundial de Luta Contra Aids. Também nesta sexta o Ministério da Saúde anunciou que medicamentos para a prevenção do HIV passarão a ser oferecidos gradativamente no SUS, agora em dezembro.

Outra política adotada pelo Ministério da Saúde que pode explicar o aumento nas notificações é a implementação de testes rápidos de HIV. Entre 2016 e 2017, o número de testes disponíveis aumentou 49%. Além disso, o alvo da política de testes mudou, diz um infectologista.

"Antes, principalmente nos anos 1990, você tinha uma política voltada a grupos de maior vulnerabilidade. Era assim: 'se você passou por algum risco, faça o teste'; hoje, a ideia é que todos estão em risco", afirma Jamal Suleiman, infectologista do Hospital Emílio Ribas, referência no tratamento da doença em São Paulo.

 

Mortalidade tem queda e casos entre crianças aumentam

O número de casos de HIV aumentou ligeiramente entre crianças menores de 5 anos, após uma tendência de queda nos últimos dez anos.

Em 2015, de cada 100 mil crianças, 2,3 nasciam com HIV. Em 2016, o número aumentou um pouco e passou para 2,4. Entre 2006 e 2016, entretanto, foi registrada queda de 34,5%.

A taxa geral de mortalidade apresentou uma ligeira queda esse ano: de 5,3% em 2015, para 5,2% em 2016.

“Onde está o nosso problema? As pessoas testam, sabem que têm [HIV], e não vão se tratar", disse o ministro Ricardo Barros.

 

Fonte: G1 – Globo.com

Gostou desse artigo? Compartilhe com alguém!

Share on facebook
Compartilhar no Facebook
Share on twitter
Compartilhar no Twitter
Share on linkedin
Compartilhar no Linkedin
Share on whatsapp
Compartilhar no WhatsApp

Deixe o seu comentário:

Fique por dentro de
novidades no nosso blog!

Cadastra-se nas nossas newletters e receba diretamente
em seu e-mail os novos artigos sobre saúde e bem estar do blog Prescrita.

Não enviamos spam.