Linfoma

Recentemente, o ator Edson Celulari, de 58 anos, contou que foi diagnosticado com um linfoma não-Hodgkin, um tipo de câncer que afeta as células do sistema imunológico. Trata-se da mesma doença que atacou, há poucos anos, o também ator Reynaldo Gianecchini. Segundo informações do Inca (Instituto Nacional de Câncer), nos últimos 25 anos o número de casos de linfoma não-Hodgkin duplicou, especialmente entre indivíduos com mais de 60 anos. As causas para esse aumento ainda são desconhecidas.

Para entender um pouco melhor o que são os linfomas, fizemos algumas perguntas para o hematologista Carlos Chiattone, coordenador do Centro de Linfomas do Hospital Samaritano de São Paulo. Confira:

O que são linfomas?

Linfomas são um grupo de cânceres das células do sistema imunológico. São mais de 60 diferentes tipos de câncer. De forma simples, podemos dizer que se dividem em linfoma de Hodgkin (LH) e linfomas não-Hodgkin (LNH).

Quais as principais diferenças entre os dois tipos?

A diferença entre o linfoma de Hodgkin e os linfomas não-Hodgkin está nas características das células malignas. Quem faz essa diferenciação é o médico patologista olhando ao microscópio.

Via de regra, o linfoma de Hodgkin (LH) tem melhor prognóstico. Os casos avançados podem ser curados em cerca de 70% das vezes. Inclusive, os LH localizados e em suas fases iniciais apresentam uma taxa de cura  excepcionalmente boa, ultrapassando os 90%.

Os linfomas não-Hodgkin, embora composto por mais de 60 tipos de diferentes cânceres, podem ser separados em dois grupos básicos de comportamento clínico: os agressivos, de crescimento rápido, e os indolentes, de crescimento lento. Os primeiros, quando tratados adequadamente, têm chance de cura ao redor de 70%.

Os indolentes são considerados incuráveis, sendo que muitas vezes optamos apenas pelo acompanhamento, sem um tratamento específico. Quando o paciente começa a apresentar sintomas da doença, aí sim entramos com o tratamento. O objetivo é utilizar um que seja efetivo, mas, ao mesmo tempo, que cause poucos efeitos colaterais – dessa forma, o paciente pode ter uma longa sobrevivência com excelente qualidade de vida. Nos pacientes com linfomas indolentes que apresentam características piores, a sobrevida é ao redor dos 6 ou 7 anos. No entanto, naqueles de melhores características a sobrevida pode ser superior a 10 anos.

Já se sabe o que causa o surgimento da doença?

A causa da expressiva maioria dos linfomas é desconhecida. Alguns linfomas podem surgir em pacientes com deficiências imunológicas, como a AIDS e uso de drogas imunossupressoras. Em outras situações, podem ser decorrentes de infecções, como o vírus EBV, o vírus HTLV-1 e a bactéria Helicobacter Pylori.

Fonte: Saúde Abril

Gostou desse artigo? Compartilhe com alguém!

Share on facebook
Compartilhar no Facebook
Share on twitter
Compartilhar no Twitter
Share on linkedin
Compartilhar no Linkedin
Share on whatsapp
Compartilhar no WhatsApp

Deixe o seu comentário:

Fique por dentro de
novidades no nosso blog!

Cadastra-se nas nossas newletters e receba diretamente
em seu e-mail os novos artigos sobre saúde e bem estar do blog Prescrita.

Não enviamos spam.