gravidez, bebês prematuros, gestação

Exercício físico e parto prematuro

A cada hora, 40 partos prematuros são realizados no Brasil, segundo o Ministério da Saúde. E tal índice, que chega a ser duas vezes maior do de alguns países europeus, é alimentado por males comuns no nosso país, como obesidade, diabete, hipertensão.

Muitas gestantes, preocupadas com o bebê, temem iniciar ou manter atividades físicas durante a gravidez. Uma preocupação, em particular, é o parto prematuro. E elas têm motivos já que estudos divergem sobre o tema, sendo que alguns mostram aumento do risco de prematuridade, principalmente associado às atividades extenuantes. Pois bem, vem aí uma boa notícia para estas futuras mamães. Pesquisadores de Londres e da Noruega realizaram uma meta-análise, com 43 estudos de vários países, sobre o impacto dos vários tipos de atividade física na gravidez

Vamos aos resultados. A atividade física se mostrou protetora do parto prematuro em mulheres que exercitavam antes ou durante a gestação. A redução do risco do bebê nascer antes da hora foi de 13% para as mulheres, ou gestantes no início da gravidez, que se exercitavam mais, na comparação com aquelas mulheres que se exercitavam menos. No caso das chamadas atividades de lazer o mesmo benefício. Por exemplo, um acréscimo de 3 horas por semana nestas atividades incorria em decréscimo de 10% dos partos prematuros. De fato, 2 a 4 horas de atividades como caminhada ou jardinagem tinham impacto bastante positivo para a duração da gestação. E no geral, fazer um pouco de atividade se mostrou melhor do que não fazer nada. A explicação pode residir da diminuição da pré-eclâmpsia ou do diabetes na gravidez. Outra hipótese provável é que ela é importante auxiliar no controle de peso, na diminuição da obesidade e do ganho excessivo de peso gestacional que são fatores de risco bem estabelecidos para prematuridade. Finalmente, a atividade física melhora a sensibilidade à insulina e pode diminuir a resposta inflamatória, sugerida caminho fisiopatológico para a prematuridade.

Novos estudos poderão ser úteis para definir quando e quanto de exercício e atividade é preciso para obter o melhor benefício para formas mais ou menos extremas de prematuridade, um problema que atinge 10% dos partos e é ainda causa relevante de morte neonatal. Pelo jeito os bebês podem continuar tranquilinhos no ventre materno, mesmo quando suas mamães estão malhando.

Que fique claro: com aval do obstetra e acompanhamento especial, é possível realizar diversos exercícios durante a gestação. Como consequência, mães e filhos ficam mais saudáveis.

Fonte: dralexandrefaisal.blogosfera.uol.com.br/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *